Como consegui motivação para sair de casa e caminhar?

Foi a coisa mais besta que alguns podem imaginar, mas que me pegou de jeito: pokemon GO.

Sim, isso mesmo. Virei jogadora do Pokémon GO.

Em resumo: Você precisa sair por aí para achar os pokémons, o jogo te exibe um mapa de onde você está e você precisa caminhar para pegar os bichinhos. De vez em quando, você ganha uns ovos para chocar, mas para chocar você precisa caminhar um X de quilômetros. Sim, para chocar um ovo de Pokémon tem que caminhar, a quantidade de Km varia entre 2, 5 e 10km.

Aí funciona bem porque é tipo dividir um objetivo em pequenos objetivos. Emagrecer 2kgs de cada vez, por exemplo. Conseguir andar 2km hoje (ou chocar um ovo hoje hahaha).

Daí cada ovo que você "choca" gera aquela expectativa de chocar os outros, ou seja, de caminhar mais. Esses dias estava chovendo e eu tive uma coceira para caminhar. E fui.

Olha o milagre acontecendo, glorifica em pé, gente!

A minha retomada e acerto de compasso em uma vida um pouco mais saudável está se dando aos poucos, tipo, agora acho que achei uma atividade para fazer e me movimentar. E ontem, segunda-feira, resolvi ajeitar minha alimentação, tive algumas idéias do que fazer.

A yoga tá meio parada, o elíptico tá meio paradão lá no quarto. Mas estou fazendo as coisas aos poucos.

Devagar chegamos lá.

E o objetivo do blog?

Escrever... dãaaaa.

Ao longo desses anos, mudei de dieta várias vezes para emagrecer, troquei de plano de exercício, larguei tudo, peguei tudo de novo, testei 4 nutricionistas diferentes... e acho que cansei de viver nessa função, como já tinha dito antes.

Quero aprender a me alimentar o suficiente, nem demais, nem de menos.

Combinei com a terapeuta de voltar com o Pense Magro quando der coragem, pois ele não é dieta, te ensina por meio de terapia cognitiva comportamental a lidar com a comida, claro, fala muito sem seguir dieta e tal, mas acho o programa muito fácil de fazer sem ficar muito preso à dieta. Ela achou perfeito.

a tarefa das duas últimas semanas foi: use a criatividade.

Ué, por quê?

Havia reclamado com ela que sou uma pessoa que perde fácil o interesse nas coisas, não me fixo muito, uma hora me interesso por algo, depois já mudei de interesse... o que consigo me lembrar dos últimos tempos que fiz e reduzi o interesse ou larguei de mão foi:

-> dança do ventre
-> corrida
-> musculação
-> bruxaria
-> fazer cerveja em casa
-> cozinhar coisas diferentes

Falei sobre como era sensível, como as coisas que aconteciam ao meu redor me afetavam de forma tão fácil, que ou explodia de felicidade e empolgação ou chorava até faltar o ar.

Ela disse: essa sensibilidade e enjoo fácil das coisas é característica de alguém criativo, que está sempre atrás de alguma coisa diferente para fazer, que se alimenta de novidades.

Fiquei de boca aberta.

Não sou uma pessoa desinteressada ou que não consigo simplesmente terminar as coisas, apenas necessito manter os estímulos

Sempre tive frustrações por não terminar nada, que era relapsa e qualquer coisa do gênero. E meu marido falou que esse meu jeito tem suas vantagens, pois aprendo de tudo um pouco.

Semana corrida, volto em breve!

Beijão!

A vida tem sempre seus pepinos

Essa semana fiz minha mudança de quarto. Peguei o maior quarto da casa, é uma longa história sobre porque estávamos em um menor, enfim.

Agora tenho espaço para fazer yoga, exercícios... ainda não consegui fazer nada, porque tenho várias sacolas espalhadas de roupas para doar que só vou levar ao destino amanhã e algumas tralhas que ainda não achei lugar para enfiar. Mas nesse findi, eu termino! Juro juradinho.

A única coisa nada perfeita da função toda foi adaptar a gatinha que dorme com a gente no quarto a se adaptar ao novo local. Ela ficou estressada, comia pouco, estava bem ruinzinha. Comprei vitaminas, comprei spray para animar o bicho e agora ela declarou encerrada a greve de fome. Ela, inclusive, ia no quarto antigo, vomitava e voltava pro quarto novo. Bem cabeça dura, puxou a dona kkkk

Enfim, agora sinto a vida renovada, animada (apesar que, assim como a gata, estou me adaptando ao novo quarto também). Posso dançar dentro do quarto, tenho espaço para penteadeira e ainda por cima poderei colocar um banquinho próximo da penteadeira e ficar alí, me penteando, sentada me olhando, que sonho!!!!!

Sobre dietas, para variar, sigo nada, obrigada. Ela que me siga. Muá.

Ando me passando da cota, comendo mais do que eu preciso. Preciso voltar a comer por saciedade e não para me entupir. Mas acho que tem muito a ver com um vídeo que vi da Ana de Césaro (do projeto Ana Gostosa) no Youtube, o qual assisti porque ouvi falar dele no blog cottage regressiva.

E como doeu ouvir tudo aquilo, me identificar...

A gente muitas vezes se sente uma fraude quando fala que fez tal coisa certa na dieta ou que fez tal coisa e mostra orgulhosa para todo mundo que você cumpriu o dever na dieta, mas que quando chega o momento que você está exausta, cansada e nada a fim e come o que dá na telha você acaba se sentindo um fracasso.

Ora, ora... somos humanos, erramos, acertamos, erramos, aprendemos, acertamos... Não vamos nos cobrar tanto assim.

A gente não desistiu de nada não, apenas erramos e... e daí?

Sensação estranha

Tenho passado por muitos probleminhas, de todos os tipos, que acaba por me deixar nervosa, estressada e algumas vezes com uma dor no peito chata pra caramba.

Como tenho estado em constante busca de algo que cure minha falta de atenção e me ajude a lidar com o estresse, vejo em muitos momentos  que fico nessa tensão, mas logo passa, eu penso em outra coisa.

Tem muito problema que me tira o sono, me deixa ansiosa sobre o que pode acontecer, mas de alguma forma, isso passa. Eu insisto em fazer isso passar, no caso a agonia.

Talvez o segredo seja a gente sair da nossa bolha de realidade, observar como uma terceira pessoa lá fora dessa bolha e ao mesmo tempo olhar para dentro de si e ver que tipo de emoção isso provoca, por que ela é provocada e até onde vai a verdade nessas emoções. Emoções não são a razão toda,  e não podemos "servir chá" para as más emoções, entender porque acontece e trabalhar isso para lidar melhor.

Não adianta a gente reprimir, porque aí estamos reprimindo e não estamos aprendendo a lidar com a situação.