A tal força de vontade

Eis que a segunda chegou! Aquele cheiro de recomeços no ar, em todos os sentidos.

Semana passada fui na minha nutricionista, conversamos sobre as compulsões que me atrapalharam nos últimos meses. Foi uma conversa muito boa, eu agradeço a todos os deuses por ter uma nutri que me entende e tenta achar uma solução para meu caso.

Agora retorno na nutri em setembro. Yoga está indo bem, e agora é isso que me motiva: emagrecer para conseguir executar melhor os movimentos, as posições. Meu sonho? Fazer aquelas poses loucas, e sei que chego lá!

Não tenho pressa de emagrecer, se eu tiver pressa, vou me lascar, pois quando tenho pressa, me atropelo emocionalmente. Estou numa fase de busca de equilíbrio, busca de algo que funcione para mim.

Minha amiga não pode mais cozinhar para mim, pois está cheia de pepinos para descascar e antes fosse os pepinos na minha salada hehehehe... Então, hoje encomendei marmitas de outra pessoa, para deixar comida pronta e nutritiva para aquele dia que eu não tenho energia para cozinhar e acabo comendo pão com qualquer coisa.

"Mas você sabe que precisa emagrecer né?" Diriam os médicos, a mãe sem noção, namorado com menos noção ainda, aquele "amigo" também bem sem noção... Ok, Ok, tá todo mundo preocupado e isso tem nada demais, mas o problema não é a preocupação, e sim a falta de compreensão.

Sim, fico feliz pelas pessoas se preocuparem sim. Sim, sei que elas não tem a intensão de me machucar.
Dito isso, vamos lá!

Sobre as preocupações:

Esse é aquele tipo de frase broxante, mas broxante mesmo: "É só parar de comer", eles disseram, "é só se controlar", disse aquele que não fica um dia sem cerveja e/ou não sabe a hora de parar e perde a linha, ou não fica um dia sem comer 400grs de carne no almoço ou aquela pratada de sobremesa e vive dizendo que precisa parar com isso, aquele que come chocolate e não para até ver o fim da coisa toda.

Quem tá nessas sabe que nada é fácil, o emocional conta muito, acho que é a principal barreira numa alimentação equilibrada. O problema é que as pessoas olham de fora, de forma rasa.

Quem já sofreu de compulsão, bulimias e afins, entende o que eu digo. Há uma linha tênue que nos situa entre o estar sã e insana. Um corpo, ainda mais o feminino, é cobrado para ser de várias formas.

Sei de todo preconceito que engloba essa coisa toda, sinto ele perto de mim. Vejo amigos falando das gordinhas de forma nojenta, e eu ali, escutando tudo.

Tento ser feliz do jeito que sou, mesmo querendo mudar, pois todos tem o direito de querer mudar. Como sempre digo, se não me amar hoje, não me amarei nunca e por conta disso emagreci tudo o que eu emagreci e engordei tudo o que eu engordei. Se o problema fosse só a comida, não existia gente gorda.

"Não parece que você está tentando" ou "Conheço uma nutri bem boa, quem sabe tu tenta essa". lembro que: a preocupação é linda, porém a visão que as pessoas tem da gente é rasa, e muitas vezes, mesmo explicando, fica difícil entenderem. Tem coisa que já cansei faz luas de explicar.

Uma coisa que não faço mais é corrida maluca em busca de número na balança. Nem me peso mais, só na nutri mesmo. Os meus resultados vão demorar mesmo para aparecer. "Mas fulana conseguiu 4kgs no mês, quem sabe tenta dieta da fulana". Enfia a dieta da fulana no cu.

"Ain mas só quero te ajudar, mas parece que você não se ajuda, tem que ter força de vontade, te esforça".
Força de vontade é um balão que enche e estoura de tão cheio que fica. Porque uma hora tu cansa de "fazer tanta força", que nem elástico, até ele cansa! Não tô puxando com os dentes um caminhão de 10 toneladas para precisar de força, pessoas nesse processo precisam ser compreendidas, precisam de paciência, precisa que entendam a vastidão de tudo que causa.

*************************************************************

Essa semana foi uma das semanas mais maravilhosa das tentativas de seguir o plano alimentar, passei a semana comendo bem, sábado até bebi 1,5lt de água! NUNCA bebo tudo isso. Sábado a noite fiz um jantar lindo, com sobremesa e tudo. No outro dia, não bebi tudo aquilo de água, mas comi bem, não ataquei uns docinhos de chocolate que tinha em casa, nem lembrei deles.


À tarde  até me deu vontade de fazer alguma coisa mais "recreativa" para comer, mas pensei um pouco e pensei: vou fazer alguma coisa que venho adiando, e resolvi imprimir uns envelopes e montar algumas divisórias para o planner, até plastifiquei elas! Ainda estou aprendendo como fazer. Mas digo que foi bem gostoso fazer esses mimos, coisinhas bonitinhas. Eu queria me agradar e achei um jeito.


Comprei os plásticos de plastificadora e coloquei a figura entre uma fronha de travesseiro e passei o ferro. Não ficou nota 10, mas gostei!

Lembro que há muito tempo atrás eu comprava esmaltes e pintava as unhas quando ficava ansiosa nas viagens que fazia à trabalho.

Acho que já disse que estou evitando me pesar, não ando sentindo tanta vontade, quero realmente pesar quando passar essa semana tumultuada e conseguir voltar a musculação, pois acho que isso ajudará na yoga.

O post ficou longo, faz tempo que não apareço por aqui!

Cuidem-se

Beijão

Titia Sammy


Metade do ano chegou



Daí vem aquela pressão de que já estamos na metade do ano e talvez não tenhamos feito tudo que a gente queria ou pretendia.

Bom, faz uns dois meses que eu troquei o plano da academia para fazer musculação onde eu queria. Mas, por conta do estresse, mudanças no trabalho, e todo o estresse de tudo, acabei deixando, deixando... e estou tentando me organizar e ir amanhã, porque hoje vou recuperar uma aula de yoga que faltei, entre várias, pois como precisei ficar até mais tarde no trabalho e por puro esquecimento mesmo, acabei não indo.

A coisa mais importante agora, eu acredito, seja não botarmos uma pressão exagerada em cima da gente por conta disso.

Faz umas duas consultas com nutri que eu deveria ter emagrecido ou evoluído e acho que engordei. Mas o problema não é com ela, sou eu que tenho tido dificuldades de lidar com o estresse que tenho sofrido, os problemas. Eu preciso aprender a lidar com isso. A má alimentação é apenas sintoma dos outros problemas.

Mas não vou deixar de ir, para não perder âncora nesse sentido.

Eu tenho tentando ficar relaxada nesse quesito, passei um período em compulsões, mas acho que aos poucos está passando. Agora que minha amiga está cozinhando refeições para mim de noite, montando marmitas com salada e tudo, fica mais fácil me alimentar de noite, mas algumas vezes me vi numa ânsia de comer alguma coisa mais "recreativa". Mas era algo emocional, algumas vezes eu cedi, outras segurei.

Não deixei de comprar roupas novas para mim, mesmo estando acima do peso que gostaria. Não é porque estou acima do peso e querendo diminuir ele que deve usar roupa velha e rasgada. Se eu não me sentir bem comigo mesma hoje, amanhã não me sentirei mesmo tendo 30 kgs a menos (nem quero tudo isso, quero chegar em torno nos 70kgs ou uma circunferência abdominal menor que 88cm (que seria o saudável) e quero ser mais flexível do que sou hoje, voltar a fazer musculação. mas lá no fundo, não estou tão ligada às medidas.

Ser gentil comigo mesma e tentar cultivar minha auto estima não são coisas fáceis de se fazer.

Uma coisa que andei refletindo, sobre o que seria se vestir linda, se vestir bem. Eu adoro um jeans, sempre gostei. E de uma camiseta, babylook, tênis, quando não estou usando uma Melissa. Às vezes a gente se obriga a se montar toda e lá no fundo a gente tem saco nenhum para isso.

**********************************************
Comecei a escrever cartas, digo, voltei a escrever cartas, pois há muito tempo atrás eu escrevia bastante carta, mas parei de escrever e já fazia tempo que eu queria voltar a escrever e agora que tenho uma caixa postal, posso mandar carta para todo mundo sem problema de todo mundo ter meu endereço.

Volto logo, assim, sem compromisso.

Bjus Bjus


Esse tal de body neutrality (ou neutralidade corporal)



Às vezes a gente pode acabar se sentindo pressionada para se amar, amar seu corpo, ser good vibes, ser gente positiva.

O mundo é engraçado, as pessoas querem se afastar de gente negativa porque atrapalha a good vibes, mas é super egoísta ou pisa nos outros.

Sigo muitos perfis de meninas gordas que fazem yoga, pessoas que hoje mostram o corpo sem vergonha depois de passar anos com bulimia e afins, ou que são gordinhas mas são super fashion.

Nesses momentos, de certa forma, tento me policiar para que a vontade de amar meu corpo não vire uma obsessão, pois somos tão cobrados para o amor próprio,  ou o movimento "livre-se das dietas" que a gente pode acabar trocando a obsessão de ter um corpo perfeito pela obsessão de querer, a todo custo se amar e se achar um monstro caso a gente não consiga.

Essa moda do good vibes é a maior furada. Já falei sobre isso.

Claro que há pessoas nesse mundo que, de tão negativas, a gente sente como se um dementedor tivesse sugado toda a nossa energia.

Mas que diabos é Body neutrality? Simplesmente não odeie seu corpo, não precisa amar, apenas não odeie ele.

Mesmo quando nos amamos (amamos nosso corpo), de vez em quando podemos acabar vendo uma celulite e não gostando isso, daí você se acha incapaz de se amar e aí é só ladeira abaixo.

A gente precisa não pensar tanto em nosso corpo, não ser obcecado por ele, seja no sentido de querer mudar ele ou amar ele.

Temos tantos atributos e qualidades, focar em apenas uma coisa como nosso salvador da pátria é terrível e desnecessário. Tentar amar o próprio corpo não é errado, se amar é ótimo, mas quando tentamos nos amar sem focar tanto no corpo, acabamos encontrando outras qualidades fantásticas em nós mesmos.

"Pensar menos sobre o próprio corpo e apenas aceitá-lo, em vez de amá-lo, são bandeiras de quem considera a neutralidade mais saudável. A ideia é eliminar a sensação de fracasso por não ser capaz de se amar - que é comparada por quem critica a positividade ao fracasso de não ter um corpo perfeito."

“Você ainda pode gostar de comer direito, se mexer e se cuidar, mas com a neutralidade, você estará fazendo isso com aceitação e alegria, não de maneira forçada e perfeccionista” porque precisamos se amar e entrar nas  #goodvibes

Estou tentando focar mais em me aceitar e cuidar de mim mesma, tentando me alimentar bem, fazer exercícios, cuidar do espiritual...

Comecei a fazer yoga, hoje estou tentando voltar para a musculação (tentar, pois com essa dor de garganta vai ser devagarinho).

Continuo sendo acompanhada por uma nutricionista e tirei a balança do banheiro, mas misteriosamente ela (a balança) voltou para o lugar. Ou alguém tá se pesando ou querem que eu me pese kkkk.

Nesse findi de feriadão, comi muito, doces e salgados, bebi cerveja, vinho... De certa forma quebrei a promessa que fiz a mim mesma de que iria com calma no final de semana, ontem de noite quase fiquei arrasada por isso, mas deixei passar, voltei à rotina e segue o baile.

“Embora eu tenha uma enorme quantidade de amor próprio, esse amor está mais ligado a quem eu sou do que ao corpo no qual eu existo”, Caleb Luna, Escritora


*************************************************
Um pouco mais: http://emais.estadao.com.br/noticias/comportamento,entenda-a-body-neutrality-aceitar-o-proprio-corpo-e-mais-realista-do-que-ama-lo,70001756290

mais um pouco sobre, porque não faz mal: https://naosouexposicao.wordpress.com/2017/04/26/bodyneutrality/

mais um pouquinho, mais um pouquinho: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/04/17/O-que-%C3%A9-a-nova-onda-da-%E2%80%98body-neutrality%E2%80%99-um-meio-termo-entre-odiar-e-amar-o-pr%C3%B3prio-corpo

Um instagran bem bacana: @mbottan

***************************************
Sammy tá gripada, se escrever algo sem sentido, perdoa ela viu?
Sammy escreveu "obsessão" de 5 jeitos diferentes, mas o corretor ortográfico nos salvou!

Ame-se o suficiente para querer cuidar de si mesma




Eu não lembro onde vi essa frase que usei de título, mas posso dizer que ela deve (ou deveria) ser um mantra para todos nós. (na verdade essa frase estava aqui como rascunho faz um tempão e só agora estou escrevendo hahahaha).

Muitas vezes quando estamos tentando de novo aquela ladainha de dieta, a gente se pune quando não obtém sucesso com ela, ou deslisa com uma coisa idiota que se a gente voltar para a rotina, o corpo vai dar conta de "eliminar aquilo".

Há um ano atrás comecei um processo para me curar de uma depressão e isso incluía desenvolver um pouco mais de amor próprio e cuidado próprio.

Eu estou lendo muita coisa, pois foi ordem na terapeuta: seja sua própria terapeuta e não dependa de mim!

Comprei um livro bem bacana, o de cor de papelão da foto: uma pergunta por dia. Ele é um diário para 5 anos e você pode começar quando quiser, no dia que for, só vai preenchendo um espaço por ano. O legal é se passar um ano e você ler as respostas do ano anterior. Tem pergunta besta e pergunta que te faz refletir um pouco.


Eu adoro ler sobre coisas que tratem de evolução pessoal, onde conseguimos ver como mudamos..

Bom, ontem participei de um circulo feminino para o resgate do poder pessoal. Foi uma experiência muito, muito boa. Nunca tinha participado de algum circulo feminino e gostei bastante da experiencia.

Havia uma das atividades que era uma espécie de meditação, onde a gente se encontrava com uma mulher selvagem, que resgataria nosso poder e nos daria coragem para mudar nossa vida.

Depois desse encontro, desenhamos o que representava esse encontro. Eu desenhei um caminho onde foi aberto, onde as correntes estavam quebradas e que quebrando essas correntes que me amarravam naquilo que me impedia de ser uma "mulher selvagem", eu teria um caminho livre para a busca de amor próprio e sonhos.

Me deu vontade de retomar o livro "mulheres que correm com lobos" que eu havia parado de ler, que trata justamente desse resgate da mulher selvagem, da mulher ancestral.

Sem muita coisa para escrever hoje, mas o importante é que vim!

Beijão!!