Cerveja é vegan?!?!?! Ou não?!?!?!


Esses dias uma amiga do facebook tinha postado um desabafo sobre, acredito eu, uma amiga que era uma vegetariana chata (em resumo) que cobrava uma posição a respeito disso de todo mundo... aí, comentarios e comentários sendo trocados no status dela, ela acabou postando um link falando que muitos vinhos e cerveja nem sempre são vegamos... (pausa: não me ofendi com o que ela disse, eu tenho que aturar vegetarianos chatos e sei como às vezes eles são insuportaveis...)
Como assim cara pálida?!?!?!?!
Nunca cheguei a parar para pensar nas cervejas... pra mim, cerveja era água, cevada, lúpulo e acabou... só que não!!!
Cai pra trás quando fui pesquisar a respeito... Além da possibilidade de terem ingredientes de origem animal na mistura, algumas marcas no Brasil patrocinam rodeios... que merda né?
A minha amada cerveja nem sempre é livre de crueldade! o.O
Abaixo, estão alguns trechos dos sites citados como fonte logo no final deste post... Segura na minha mão e vem comigo!
A cerveja não tem nenhum produto animal como ingrediente, mas somente malte (cevada), lúpulos e água.  Na verdade, segundo a legislação brasileira (Lei nº 8.918/94), complementada pelo Decreto Lei nº 2.314/97), é proibido adicionar produtos de origem animal à cerveja. Suponha que alguém queira colocar mel na sua receita de cerveja, a bebida resultante não poderia ser comercializada com o nome de cerveja. Isto dito, vemos que considerando somente os ingredientes, cervejas são vegs.
Aqui no brasil muito se diz que as empresas produtoras de bebidas alcóolicas não utilizam de produtos de origem animal nas suas composições, mais afinal? existe este perigo para estes tipos de bebidas?
Tem um site onde pode-se consultar algumas marcas de cervejas do exterior e sua situação quanto ao critério de crueldade... o site é esse: http://barnivore.com/, fala só de cervejas de fora do Brasil, mas é válido!
Regra geral, as cervejas condicionadas em barris (tradicionalmente inglesas e consideradas as "verdadeiras" cervejas) são clarificadas com uma espécie de cola de peixe ("isinglass"). Essa cola de peixe é uma forma de gelatina muito pura que se obtem a partir das bexigas de alguns peixes de água doce, especialmente do esturjão. As refinações aceleram o processo que de outra forma ocorreria naturalmente.
No entanto, as cervejas em barris, em lata e algumas engarrafadas são já frequentemente filtradas sem o uso de qualquer substância animal. O único ingrediente possivelmente derivado de animal usado na produção de cervejas de barril é o E471. As refinações derivadas de animal continuam, no entanto, ainda a ser usadas em todas as cervejas de produção Guinness e Bass. Por sua vez, as cervejas sem álcool são geralmente filtradas a frio, mas algumas podem envolver o uso de "cola de peixe".
Muito pega-se no pé do veganos brasileiros que bebem cerveja, argumentando sobre tais fatos, vale lembrar que no caso da cerveja não só existe apenas a  hipótese dos ingredientes de origem animal, mais tambem os cruéis testes realizados nos anos 80 e 90 com macacas grávidas durante toda a gestação para verificar como afetaria o bebê macaco recem nascido entre outros.

As empresas brasileiras argumentam todas que não são feitos mais testes deste tipo (tambem, todo o massacre já foi realizado) mais como provas pouca coisa há...
Grande parte das cervejas hoje, no entanto, são produzidas de modo totalmente vegan. Cervejas de tipo Lager, cervejas em lata e a maior parte das engarrafadas são purificadas em filtros minerais.
Mas e se eu quiser ter certeza de que minha cerveja é vegan?
É possível encontrar na internet diversas listas de cerveja vegan provenientes dos Estados Unidos, Inglaterra e Portugal.
Moral da história: cervejas são feitas com ingredientes vegan, mas podem não ser 100% vegan. Mas não é preciso parar de beber, para ser vegan (ninguém iria te pedir tamanho sacrifício). Basta atenção para saber qual marca de cerveja tomar.
O estilo de vida vegano não exclui, por isso, as bebidas alcoólicas em geral, mas apenas aquelas que contêm matérias primas ou auxiliares de origem animal.

Bom, então lá vai um resumo sobre cada bebida alcoolica e marcas livres de crueldade...
VINHOS


A maioria dos vinhos, após a fermentação, é refinado usando um dos seguintes produtos de origem animal: sangue (não para dar cor, mas para clarificar; mas actualmente já raramente usado), medula óssea, quitina (base orgânica das partes duras dos insectos e crustáceos como camarões e caranguejos), albumina de ovo, óleo de peixe, gelatina (geleia obtida pela fervura de tecidos animais como a pele, tendões, ligamentos, etc, ou ossos), cola de peixe, leite ou caseína.
Alternativas não-animais incluem pedra calcária, caulino e "kieslguhr" (argilas), caseína de plantas, gel de sílica e placas vegetais.
Nos grandes supermercados já é possível encontrar algumas marcas de vinhos veganos. E os vinhos biológicos, cada vez mais fáceis de encontrar, também são, mais provavelmente, veganos.

Vinhos veganos:
Quinta da Esteveira
Quinta da Comenda
Dão
Cormaieur
Miolo
Piagentini
Valduga
Todos os vinhos da Adega Cooperativa da Covilhã e, provavelmente, da maioria das adegas cooperativas.

Vinhos no Brasil:
O vinho precisa ser verificado antes do uso pois, assim como a cerveja, pode passar por um processo de clarificação usando ingredientes de origem animal.
Gelatina, caseína, albumina, hemoglobina, isinglass, entre outros produtos de origem animal, podem ser usados, embora sejam descartados após a clarificação com as impurezas e não integrem o produto final.
Os vinhos veganos ou apenas passam pelo processo de decantação natural (raro) ou são microfiltrados com placas de terra diatomácea ou outro elemento mineral.

Na comunidade SAC Vegano (Orkut), é possível encontrar uma série de e-mails trocados com SACs de algumas marcas. Seguem algumas:

LIBERADOS:
Vinícola Perini
Vinícola Boutique Lidio Carraro
Vinícola Dom Cândido
Adega Chesini
Vinhos Lerentis
Família Tasca - Decio Tasca
Vinícola Miolo
Marco Luigi Vinhos Finos
Lidio Carraro Vinhedos & Vinhos Finos
Cereser
Vinhos Canção
Boscato Vinhos Finos
Vinícola Campo Largo
Marques da Casa Concha
Casillero Del Diablo (apenas os tintos)

NÃO LIBERADOS:
Salton
Vallontano Vinhos Nobres LTDA
Vinícola Courmayeur
Vinícola Garibaldi
Vinícola Aurora
Chandon
Vinícola Aliança
Peterlongo
Vinícola Campestre
Cantina da Serra
Sulvin Ind. e Com. De Vinhos Ltda
Vinibrasil
Concha Y Toro e vinícolas associadas, exceto Marques da Casa Concha e Casillero Del Diablo TINTO.
CERVEJAS
Já falei dela mais acima, mas segue mais alguns detalhes e uma lista de cervejas vegans e não vegans....
A cerveja é uma bebida que resulta da fermentação alcoólica por uma levedura seleccionada, de um mosto obtido a partir de matérias primas vegetais, mas às quais se adicionam matérias auxiliares e/ou auxiliares tecnológicos (substâncias usadas intencionalmente para desempenhar uma dada função tecnológica durante a obtenção, tratamento ou transformação de matérias-primas, géneros alimentícios ou seus ingredientes, que pode ocasionar a presença involuntária, mas inevitável, de resíduos ou de seus derivados no produto acabado), que, por vezes, são derivados de animais.
 
As cervejas à venda em Portugal são, na sua maioria, veganas. Podendo, no entanto, por vezes, no seu processo de fabrico serem utilizados filtros de gelatina de porco.
A Central de Cervejas ( http://www.centralcervejas.pt ) e a Unicer, duas das maiores produtoras de cerveja em Portugal, garantem que todas as cervejas aí produzidas são isentas de ingredientes de origem animal.
Tanto os produtos principais (cevada e cereais não maltados que são submetidos a um processo de decocção e às quais se adiciona Lúpulo e seus derivados) como os aditivos (antioxidante: metabissulfito de potássio E-224; estabilizador de espuma: alginato de 1,2 - propanodiol E-405; corante: caramelo E-150 e dióxido de carbono) e os auxiliares tecnológicos (clarificadores: terra de diatomáceas, carvão activado e celulose; estabilizadores coloidais: polivinilpirrolidona (PVPP), sílica-gel, taninos e enzimas proteolíticos - principalmente papaína, de origem vegetal e outros de origem bacteriana e/ou fúngica; correctores do teor enzimático dos maltes: enzimas amilolíticos, proteases e glucanases - de origem bacteriana e/ou fúngica) são de origem vegetal.

Marcas de Cervejas Veganas(Portugal):
(algumas não conheço, mas pra quem conhece...)
Super Bock
Jansen
Imperial
Golden Beer
Benfica
Sporting
F. C. Porto
Cergal
São Jorge
Topázio
Ónix
Heineken (OBA!!!!!!!!!!)
Budweiser
Kronenbourg 1664
Wilford
BUD
Marcas de Cervejas Veganas(Brasil):

Cervejas da Ambev
 Antarctica
 Bohemia
 Budweiser
Caracu
Kronenbier
Labatt Blue
Lakeport Brewing
Liber
Miller
Original
Polar
Puerto del Mar
Quilmes
Serra Malte
Skol
Stella Artois

BEBIDAS ESPIRITUOSAS

A produção da maioria das bebidas espirituosas não parece envolver o uso de quaisquer substâncias animais. O vodka, que antes usava produtos de origem animal, é actualmente filtrado usando carvão de lenha.
No entanto, tudo leva a crer que a maioria das marcas de Vinho do Porto envelhecem o vinho com carne de porco, pelo que, provavelmente, não será uma bebida vegana.
Também Martini Rosso e Campari, assim como outras bebidas vermelhas, não são veganas por causa do E120 (insectos esmagados - corante vermelho) que é usado na produção da bebida.
Outro aspecto a ter em conta é que a algumas bebidas espirituosas pode ser adicionado açúcar refinado (de cana), o qual é ainda, por vezes, refinado com ossos de bovinos (apenas o açúcar de beterraba é vegetariano).
Para quem quiser obter informações fidedignas, o aconselhável é contactar as empresas produtoras das bebidas alcoólicas, de forma a conhecer a origem dos produtos usados no fabrico das bebidas.
Bebidas veganas:
Cockspur Rum
Cointreau
Croft Vintage Port
Gilbeys Gin
Jack Daniels
J&B Whisky
Malibu
Metaxa
Popov Vodka
Romana Sambuca
Sappline Gin
Singleton Whisky
Smirnoff vodkas
Southern Comfort
Safeways all spirits

Espero que os vegans que visitam meu blog tenham gostado, qualquer informação a acrescentar, fiquem à vontade!
Fontes:

Um pequeno guia sobre emagrecimento vegano


Em todo esse processo em me tornar uma pessoa vegetariana/vegan, acabei, claro, pesquisando sobre como o veganismo poderia me ajudar a emagrecer e a melhorar minha performance nas corridas.
Pesquisei a respeito de como conseguir ingerir todos os nutrientes que meu corpo precisa, aí descobri o seguinte: mantenha sua alimentação bem colorida e variada. Essa é a chave de tudo.
Lendo o livro 100% vegetariano, que comprei justamente por conta de dois capítulos que me interessavam sobre emagrecimento e atletas veganos, descobri algumas dicas e conselhos que iam muito além da orientação nutricional.
Tudo aqui é baseado no que li e pesquisei a respeito, sempre em caso de dúvidas, consulte um médico ou nutricionista. Esse guia não foi feito em um único dia, mas sim em dias e dias de pesquisas onde, aos poucos, fui enriquecendo o texto.
Vamos lá?
Tá, agora explica titia Sammy como um vegano que só come mato consegue ser gordo? Simples, por exemplo, batata frita é vegano, a batata é vegetal e o óleo também... entendeu? Arroz é vegan, feijão também... Tem até xis vegano, massa com molho de tomate bem gordo é vegano, há chocolates que não possuem leite... entenderam?
Hoje em dia os alimentos estão em abundancia, ou seja, não precisamos passar trabalho para nos alimentar, até porque, basta ligar para uma tele-pizza e pedir a sua pizza do tamanho que quiser. E sendo assim, é muito mais fácil exagerar e comer demais... Pois as porções nesses restaurantes e lanchonetes a cada dia aumentam de tamanho...
Cada um tem um organismo, um corpo diferente... nem sempre quem come demais é gordo, tem muitos fatores a considerar... Conheço gente que dá um espirro e emagrece 2 quilos, e há quem coma pouco, faça atividades físicas e mesmo assim continua acima do peso. O organismo dessa última pessoa é muito eficiente, em tempos de crise de falta de alimentos, essa não passaria trabalho! Mas não é a realidade atual, pelo menos para nós, pessoas que não somos miseráveis.
Outra coisa que me chama a atenção e vais chamar a sua também... a gente que é gordinho tá sempre procurando um milagre para resolver nosso problema de excesso de peso, gastamos muito tempo pensando nisso e procurando... Normalmente quando achamos tal milagre, na boa maioria das vezes esse milagre de milagroso tem nada, e voltamos a estaca zero... Por que a gente não gasta esse tempo com algo mais útil? esse tempo que gastamos procurando um milagre, porque não vamos dar uma caminhada, vamos passear... enfim, por que?
Uma passagem do livro que achei bem interessante passar para vocês...
"Sua luta com a balança deve estar relacionada tanto com autopreservação quanto a genética ou o ambiente. A comida não julga, ela conforta. Ela tem o poder de construir uma parede que o impede de entrar em contato com o seu intimo e com sua dor. A grande pressão da sociedade para as pessoas serem magras geralmente só serve para piorar as coisas. O resultado continua sendo insatisfação com o próprio corpo e anos de efeito sanfona.". Então, sem neuras ok?
Pega na minha mão e vem comigo...
Bom, e onde se enfia o veganismo no meio?
Seguem algumas vantagens em tentar um emagrecimento com esse estilo de vida...
*** Maior ingestão de fibras
Segundo dados do livro, "o americano médio não-vegetariano consome de 10 a 15grs de fibras ao dia, sendo que a recomendação atual é de 27 a 40grs. Os veganos atingem ou excedem essa quantidade ingerindo em torno de 40 a 50grs de fibra por dia.". A fibra dá saciedade, pois é mais difícil para o corpo digerir ela. E como nosso intestino precisa das fibras, é nós não temos problemas quanto a isso hehehe. Intestino funcionando bem, significa alguem de bom humor e menos propensa a ter ataques de pelanca e assim comer tudo que vê pela frente.
*** Maior ingestão de carboidratos
Como assim?!??!?!
Isso mesmo que você ouviu... o povo pega o carboidrato de bandido mas não é tão ruim assim... Os carboidratos são bandidos quando são refinados, como nos açucares, farinhas brancas... Há estudos que dizem que os carbos complexos podem acelerar a taxa metabólica de repouso. Um estudo citado no livro diz que "homens jovens vegetarianos apresentavam uma taxa metabólica 11% mais elevada do que não vegetarianos que consumiam uma quantidade semelhante de calorias". Os carboidratos ainda tem outra vantagem: aumentam a síntese e a liberação de serotonina que supre a vontade de comer mais e assim sendo a pessoa comeria menos. Normalmente os veganos gastam em torno de 55 - 65% de suas calorias em carbos sendo que sua maioria são carbos complexos, enquanto os não vegetarianos obtém 50% de suas calorias de carbos onde boa parte é refinada...
*** Menor ingestão de gordura
Ingerir um pouco de gordura não faz mal, inclusive, faz bem se essas gorduras forem boas, já que muitas vitaminas precisam da dita cuja pra serem absorvidas pelo organismo. E como veganos consomem muitos legumes e saladas, acabam tendo refeições com índices de gordura muito menores. Antes um prato cheio de legumes, saladas e grãos com pouca gordura do que um pedaço de filé com arroz que pode ser um prato modesto, porém, cheio de gorduras.
Essas são apenas algumas das vantagens, há muitas ainda... como por exemplo: a gente tenta manter sempre o prato mais colorido possível e isso significa mais vitaminas e minerais a nutrir o corpo! Oba!
O livro nos fala de algumas dicas para conseguir emagrecer com saúde e com a mente sã.
1) Faça da sua saúde a sua meta
Muita gente vai atrás apenas de um corpo bonito... mas nem sempre isso é sinônimo de saúde. Ter um peso legal para sua altura e estilo de vida saudável é muito melhor do que tentar ter o corpo da fulana.
2) Concentre sua dieta em alimentos integrais e vegetais.
Principalmente os legumes e saladas, eles possuem baixas calorias e assim sendo, pode-se comer muito mais e assim ficar satisfeito consumindo menos calorias. Sabe aquele negócio de forrar o estômago com salada? É super válido, vai por mim!
3) Ouça seu corpo
O ruim de se tentar emagrecer é que a gente precisa comer menos e até abdicar algumas coisas gostosas para alcançar o objetivo. E pra piorar, a comida é uma tentação que está aí livre para ser comida e muitas vezes a comemos por conta das emoções, das frustrações e das comemorações. tente comer apenas quando está com fome e o suficiente para ficar saciado. Muita gente come por tédio, então, vá ler um livro, dar uma caminhada... né?
4)Tenha hábitos saudáveis
Praticar esportes, tomar mais água... Troque aqueles hábitos que te atrapalham no seu objetivo por outros melhores. E não se frustre caso acabe cedendo ou fazendo algo que esteja parando de fazer (como por exemplo, um doce depois do almoço...., enfim). Tenha metas fáceis de alcançar e não se sinta culpado ou envergonhado por não cumprir elas.
5)Faça refeições pequenas com maior frequência - e coma devagar
Pular refeições é um pecado se falando em vida saudável! Pular refeições faz com que você devore tudo que ver pela frente na próxima refeição (ia usar a expressão um boi pela perna, mas aqui ela não se aplica por motivos óbvios). Tomar café da manhã é essencial, pois o corpo passa por um jejum a noite toda, e pela manhã precisa de energia para despertar e cumprir as tarefas do dia. Comer devagar ajuda a pessoa a ficar saciada e ajuda na digestão, além de saborear muito melhor a comida.
6) Faça da atividade física uma prioridade na sua vida.
Exercícios são tudo de bom, aceleram o metabolismo, trazem bem estar... tente fazer alguma atividade 5 ou 6 vezes na semana, não precisa ser muito no inicio, uma caminhada de meia hora é um ótimo inicio.
7) Curta o seu corpo maravilhoso
Às vezes ficamos tão preocupados com o corpo que teremos ter que esquecemos o quão maravilhoso é o corpo que já temos... Reserve um momento do dia para apreciar cada parte de seu corpo, em como seus pés lhe ajudam a se locomover, como suas mãos o ajudam nas tarefas do dia a dia. Cuide-se, mime-se, se arrume, mude o corte do cabelo, se ame!
8) Deixe a balança no lugar a que ela pertence - na banca de peixes e na fruteira
Sempre digo que o melhor termômetro do nosso emagrecimento são as calças folgadas, as roupas que hoje servem e ontem não serviam... esse é o melhor fruto a ser colhido com o emagrecimento. Balanças deixam a gente paranóicos, aquilo é só um número, nada a mais... você é muito melhor que isso! Fora que, fazendo atividades físicas, a tendencia é que se ganhe mais massa magra e se elimine as gorduras, e não sei se todos sabem, músculos pesam mais que gordura, e mesmo que a pessoa diminua medidas, ela pode ainda conservar o mesmo peso.
9) Seja realista
Crie metas realistas que sejam fáceis de alcançar, trace pequenos objetivos, como perder um quilo de cada vez, meio quilo por semana, correr 2km sem parar... valorize seus progressos e comemore!
10) Cuide do seu eu interior
Você só será saudável se cuidar do seu eu interior. para isso, talvez precise fazer mudanças difíceis, porém necessárias, na sua vida. Talvez precise enfrentar conflitos pendentes, tanto do futuro como do passado. talvez precise de um grupo de apoio ou psicologo que ajude a lidar com o problema. Se essas questões subjacentes não forem abordadas, será muito mais difícil atingir seus objetivos finais de saúde e gostar de si mesmo.
Pirâmide alimentar: ela pode ajudar?

Siiiiiim, cara pálida! Em resumo, a dieta que é tratada no livro defende um cardápio de certa de 1600 kcal para quem quer emagrecer, pode parecer muito para alguns, mas pelo menos assim se emagrece com calma e sem sofrimento. E uma dieta com tantas calorias, dá margem para "cortes" caso entre em efeito platô (quando o emagrecimento estaciona). Se começamos com uma dieta muito restritiva, aí quando isso acontece, não temos onde cortar...
Tentarei resumir as porções que devem ser utilizadas para montar um cardápio vegano que ajude no emagrecimento.
Nos quadros abaixo, podem clicar neles para aumentar!
* Coma grãos integrais, evite os produtos refinados! (5 a 7 porções ao dia)
Eles prolongam a saciedade!
Melhores opções: grãos integrais intatos (painço, quinoa, cevada e arroz integral)
Boas opções: pães, cereais e massas integrais. Procure pães que tenham pelo menos 3g de fibras por porção!
Péssimas opções: qualquer grão refinado (pães e massas brancas, arroz branco).
 
* Use e abuse das hortaliças! ( 3 ou mais porções ao dia!)
A melhor forma de se conseguir nutrientes, muita vitamina e poucas calorias!
Coma à vontade hortaliças com baixo teor de carboidratos. Restrinja as mais ricas em carboidratos (batata, milho e ervilhas) a 3 porções ou menos por dia.
Coma hortaliças frescas todos os dias. Elas proporcionam maior sensação de saciedade e, além disso, contém alto teor de fitoquímicos e de outros componentes alimentares de natureza protetora.
* Delicie-se com os doces da natureza! Frutas! (3 a 5 porções ao dia)
Varie as frutas na sua dieta, coma frutas diferentes ao longo do dia, e sempre priorize a fruta inteira e evite os sucos, onde se perde muitas fibras e vitaminas.
Tente comer elas nos lanches.
* Pense verde para obter calcio ( 6 porções ao dia)
As melhores fontes são as hortaliças de cor verde escuras, tais como couve, brócolis e algumas algas. Outras fontes que são excelentes são os tofus e leites de soja enriquecidos com calcio.
* Fortaleça-se com leguminosas (2 a 3 porções ao dia)
Prefira sempre as leguminosas integrais e não as processadas para atingir essa cota (como em pastas e cia). Sendo integrais, promovem maior saciedade.
Inclua porções menores de opções mais ricas em gordura como as oleaginosas e sementes.
* Não esqueça do ômega-3 e das vitaminas B12 e D!
Em dietas vegetarianas esses nutrientes costumam ser esquecidos.
Ômega-3: as melhores fontes são alimentos integrais como nozes, linhaça e verduras. Use o óleo de linhaça na salada, uma colher de chá já pode suprir essa necessidade
B12: utilize suplementos ou alimentos enriquecidos com esta vitamina.
D: 10 a 15 minutos no sol dão conta do recado!
* Use óleos concentrados, doces e alimentos salgados com moderação! A maioria desses alimentos não oferecem nada de bom, só calorias!
Cuidado com os sucos! muitos em apenas um copo pode possuir em torno de 150 calorias. Priorize a água e chás de ervas.
Tome um suplemento multivitaminico/mineral
Dietas com baixo valor calórico podem ter níveis insignificantes de uma série de nutrientes. Tomar algum suplemento pode ajudar a manter os níveis estáveis.
Escolha um suplemento com vitamina B12, vitamina D, zinco e outros minerais.
Sempre consulte um nutricionista para saber qual o melhor suplemento para você, certas vitaminas quando em excesso podem trazer mais desvantagens do que vantagens!
Abaixo, tem um exemplo de como montar o cardápio de um dia... onde está itálico são alimentos que aparecem em mais de um grupo de alimentos, ou seja, leite de soja é leguminosa e fonte de calcio, então, aparece nos dois grupos. A mesma porção fornece a cota dos dois grupos!
Se tiverem problemas para visualizarem algo, me avisem que assim que possível eu corrijo!
Bjuuuus!

Meu veganismo




Ser vegano não é uma questão de “não poder” comer isso ou fazer aquilo, é uma questão de escolha. E quando se trata de escolher, cada um age segundo a sua consciência.

Depois de tanta gente querer vir me julgar, me encher o saco, vou explicar tudo que eu tenho que explicar apenas uma vez... Há algumas coisas que preciso dizer...

Preciso dizer que já pensei em muita coisa em relação a abuso de animais, sobre medicina, transporte, tecnologia (sim, há produtos testados e de origem animal em tudo que nem se imagina)... Pensei muito em como essas áreas se utilizam dos animais de todas as formas possíveis, seja como ingredientes, seja com testes.... em tudo.

Preciso também dizer que vejo muitos vegetarianos/veganos que são muito agressivos ao impor suas convicções, valores e idéias e isso não só atrapalha como afasta as pessoas que hoje não pensam como a gente mas que um dia... quem sabe passando as nossas ideias com carinho e com jeitinho ela não venha a pensar e ir pelo mesmo caminho que o nosso? Sendo agressivo a gente só deixa a imagem de "que gente chata, louca e agressiva é essa, só pode ser falta de carne... eu hein...".

Então, vou falar um pouco da minha reflexão do assunto, sobre meu vegetarianismo e meu veganismo.

Um belo dia virei vegetariana, comia ovo e leite, só não comia o que tinha tido um rosto um dia (em resumo). Aí naquele mundo da novidade do vegetarianismo, eu me dei o direito de julgar as pessoas que amavam os bichos, ajudavam ongs de animais abandonados ou que elas mesmas recolhiam esses animais, porém, comiam carne como qualquer outro humano que estivesse pouco se lixando pros animais. Eu pensava "ora onde já se viu essa hipocrisia!".

Até que um dia, li em algum lugar que não me recordo hoje onde (não sei se foi em livro ou internet) a seguinte história...

Uma floresta pegou fogo, e um leão viu um beija-flor pequenino levando porções minusculas de água para o incêndio, tentando assim apagar o fogo... O leão, intrigado, perguntou ao beija-flor "você acha que vai apagar o fogo levando tão pouca água para as chamas?" e a beija-flor respondeu "se cada um ajudar do jeito que puder, com aquilo que puder oferecer, conseguiremos apagar o incêndio"...

Então, compreendi duas coisas:
-> nunca julgaria as pessoas que fazem sua parte, seja onde for, seja fazendo o mínimo ou máximo, cada um faz o que dá e esse "cada um faz o que dá" poderia fazer uma baita diferença...
-> Nunca na minha vida conseguiria ser um vegan "verdadeiro"... por quê? Esse computador que estou usando neste momento em algum lugar dele, em alguma pecinha que seja, há algo de origem animal... o papel que usei pra escrever um recado agora a pouco foi feito por alguem que desmatou uma floresta, destruiu um campo e expulsou sua flora e fauna de lá para que eu pudesse ter esse papel...

(e você ainda vem aqui e me julga... você não está atrás de um computador, não usa papéis? anda de ônibus, carro? pois é...)

Para ver como o veganismo sempre será uma questão complicada... 

Para ilustrar a situação, dou o seguinte exemplo... conheço uma família que é vegana ao extremo, o filho ele leva muito a sério a filosofia de vida deles (são fruguivoros, onde as pessoas só comem o que não resulta em morte da planta, em resumo é isso). Um dia ele teve de tirar o siso... ele tirou o dente e a mãe dele o obrigou a tomar os antibióticos (e isso que ela é fruguivora também e é a "cabeça" do estilo de vida deles) pois ele não queria, mas acabou tomando por insistência dela (só se negou a tomar medicamentos pra dor). Isso os tornou menos defensores da filosofia vegana? Na minha opinião, não. "Ahhh mas foi uma excessão diferente das outras..." olha, pra mim é uma excessão como qualquer outra que qualquer vegano possa fazer, como já ouvi veganos falarem que comeram queijos de leite de vaca algumas vezes pois a família que convidou para jantar tinha comprado só pra ela comer pois tinham entendido que ela só não comia carne... e ela comeu aquele dia e deu, não quis deixar as pessoas da casa sem jeito ou fazer desfeita.... e ela não se tornou menos vegana por isso. (lembre-se desse exemplo)

Mesmo que a pessoa me diga que seja Vegan, sei que ela não poderia ser 100%, já que um dia ela passará por uma situação que ela terá de usar algo que tenha crueldade, seja consciente ou não. Pra ser 100%, na minha opinião, a pessoa deveria voltar ao tempo que as pessoas viviam no meio da natureza, comendo vegetais e levando sua vida sem nenhum produtos animal.

Bom, aí partindo desse principio de que não dá pra ser 100% vegan (isso já sendo vegetariana), eu cheguei ao seguinte acordo comigo mesma: a partir de agora (isso em novembro/2012) não vou consumir nada de origem animal, o que eu puder evitar, eu vou. E nesse processo, vou ir me adaptando, me organizando, entendendo como as coisas funcionam, aprendendo a fazer escolhas, aprendendo a lidar com o julgamento dos outros (tenho problemas com isso desde criança, trauma mesmo), vou ir aprendendo a fazer melhor minhas escolhas...

Enfim, eu digo que sou vegan sim (mesmo que isso seja agressivo para os vegans mais fanáticos*), estou em processo de adaptação, eu estou aprendendo muita coisa nesses últimos dias, entendendo outras e descobrindo muitas, às vezes "caindo da carroça" por ainda estar aprendendo a lidar com muitas situações, criando coragem de expor as minhas escolhas e não me importar mais com o julgamento dos outros. Como li em um blog de uma vegana que tinha um guia de como se tornar vegano, ela dizia: "se comeu o queijinho, não interessa o motivo... sempre dá pra começar de novo, tente de novo". E é isso que faço, se eu errar durante esse inicio, se eu precisar sair fora desse modo vida que escolhi pra mim (seja agora enquanto me adapto ou daqui a 100 anos ) eu vou me perdoar e seguir meu caminho...

As escolhas que faço são somente minhas escolhas, se tuas escolhas são diferentes das minhas, paciência... somos pessoas diferentes e por isso fazemos nossas escolhas do jeito que dá.

Admito que me corrijam, que falem "Oh Sammy, esse produto aí tem tal coisa de origem animal", pois apesar de pesquisar a respeito, nem sempre consigo verificar tudo e essa contribuidão é sempre válida ( e sempre agradeço!) e sempre acho que essa troca de informação que as pessoas desse estilo de vida fazem super válida, a única coisa que não admito é me chamarem de vegana de araque por não fazer certas escolhas que a pessoa acha que tá errado... tá errado pra ti, tá errado nas tuas escolhas, mas na minha não! A minha escolha é tal porque eu tenho meus motivos para escolher assim, se tu não escolheria, paciência!

Lembrem-se veganos/vegetarianos que vem aqui me visitar e buscam um furo no meu estilo de vida e acham um jeitinho de me julgar: ser vegan é defender a vida, contribuir para um mundo menos cruel e mais preservado, a favor de todas as formas de vida, incluindo a vida humana... Ou seja, de que adianta ser todo cuidadoso com seus produtos de origem vegetal e não ter um pingo de respeito com seus semelhantes (lembram o episódio do queijo que contei mais acima?)??? Não se esqueçam que vivemos em sociedade, e respeito é bom e todo mundo gosta. A gente pede respeito das pessoas que comem carne, mas se respeitar entre si que é bom nada, né?

Já fui de discutir que nem cachorro louco a repeito do vegetarianismo... já fui de defender que nem louca esse estilo de vida...

Já me achei superior a quem ainda come carne (coisa de quem descobre ontem o vegetarianismo, mas nem todos são assim)... mas isso durou pouco tempo... Depois, parei de julgar as pessoas, eu perdôo elas, respeito elas... a escolha delas é comer carne e repeito elas por isso, assim como espero que respeitem a minha escolha, poxa, o pessoal lá em casa come carne, come ovo, come leite e eu estou de bem com eles assim como eles estão de bem com meu estilo de vida...

E sabe que até hoje nunca passei por uma situação onde alguem viesse tirar onda da minha cara por conta das minhas escolhas (tirando o dia em que meu sogro e minha sogra se assustaram por não comer mais carne, mas foi só o susto e eles hoje me respeitam), pelo simples fato de respeitar todo mundo. Poxa, meus amigos comem carne... vou agora desfazer a amizade por isso? Não. Tem churrasco, eles já separam pão com alho pra mim... Eu tenho as melhores pessoas do mundo ao meu redor, e fui eu que dei chance para isso acontecer!

Sejam menos paranóicos e menos agressivos que vocês vão ver como o preconceito contra nós diminuirá e talvez mais gente se interesse por nosso estilo de vida...

Não fique numa mesa de jantar junto com seus amigos comedores de carne dizendo que sente nojo de carne pois aquilo é um cadáver nojento em descomposição... eles comem carne e isso irrita eles, assim como eles te irritam quando dizem que a comida deles caga na tua... que tal todo mundo se respeitar??? Vamos?

Bjus!

*obs.: quando falo fanático, não quero usar o sentido mais "feio" da palavra, mas sim pessoas, digamos... que defendam de maneira bem "forte" as suas convicções.